Bem-vindo!

Neste blog, poderemos contemplar a via láctea da literatura. Aqui, você poderá não só tecer análises críticas sobre as obras e os autores discutidos em sala, como também postar sugestões de leitura, links interessantes, propor debates sobre obras literárias, brincar de esconde-esconde numa nebulosa e voltar para casa em um lindo balão azul. Pegue carona na cauda deste cometa!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

ALUNOS DO 8º SEMESTRE - comentários sobre leituras

CAROS ALUNOS DO 8º SEMESTRE,


Insiram aqui seus comentários sobre suas leituras. Ao final do seu comentário, assine com seu nome completo e RA.
Estamos todos ansiosos para saber a respeito de suas experiências literárias!

Abraços

19 comentários:

  1. Estava lendo o livro " O código da Vincci" e não gostei muito da obra, li apenas 10 capítulos e por se tratar de um livro de investigação,achei que ele dá muitas voltas, é muito detalhista aos lugares por onde o investigador passou ainda mais na cidade de Paris. Então troquei de livro, estou lendo o livro "O sol também se levanta" do autor Ernest Hemingway, que é um romance, que fala de uma história de amor mal resolvida entre Lady Ashiley Brett e Jake Barnes, pelo visto, rss, ainda estou no capítulo 7. Por enquanto estou gostando de ler o livro. O romance narra os conflitos e frustrações dos norte-americano e ingleses que vivem em Paris após a primeira Grande Guerra Mundial.

    Greice Mara RA: 49095 - 8ºSemestre

    ResponderExcluir
  2. A atividade de leitura não corresponde a uma simples decodificação de símbolos, mas significa, de fato, interpretar e compreender o que se lê. O único limite para a amplidão da leitura é a imaginação do leitor; é ele mesmo quem constrói as imagens acerca do que está lendo.O hábito de leitura nos leva a conhecer o mundo...
    Glória Raquel RA 56017.

    ResponderExcluir
  3. uau! Gostei do comentário acima!Realmente a leitura proporciona tudo isso e muito mais...é conhecer as pessoas e o mundo sem sair o lugar!

    Mayara Prado

    ResponderExcluir
  4. A obra que escolhi é do Francês Júlio Verne, "A volta em 80 dias".Ainda estou nas primeiras paginas, mas deixarei o meu comentário... O livro conta a história de um inglês, Fileas Fogg,um homem metódico, que tinha uma vida regrada e solitária, mas com muito dinheiro e, devido a uma aposta com seus amigos de jogo, resolve dar a volta ao mundo em 80 dias, acompanhado apenas de seu fiel empregado.Ninguem acredita que ele consiga dar a volta ao mundo em apenas esse período de tempo.Será que ele consegue? Bom, as aventuras de Fileas, começam nas próximas paginas...estou ansiosa para chegar lá!!!

    Mayara Prado

    ResponderExcluir
  5. Diana de Oliveira Rodrigues10 de setembro de 2010 12:09

    Eu li o clássico Oliver Twist e gostei muito. Vou postar as partes mais importantes.
    Oliver ficou órfão ao nascer e e viveu em um abrigo trabalhando e recebendo pouca comida. Certo dia Oliver come o mingau e como estava muito faminto pediu mais, e por esse fato é castigado e vendido ao Sr Sowerberry. Lá conheceu Noé a quem ficou subrodinadoe Oliver ao ouvir Noé falar mal de sua mãe reage atirando-o no chão, e com medo Oliver foge para Londres e conhece um garoto chamado Jhon que lhe apresenta Fagin chefe dos meninos ladrões. Um dia Oliver teve que fazer seu primeiro roubo que foi mal sucedido e no qual sua vítima foi o Sr Brownlow mas que acolheu Oliver. Sr Brownlow para testar a honestidade de Oliver manda ele devolver alguns livros, mas no caminho é capturado por Nanci e retorna para as mão de Fagin. Mais uma vez Oliver é obrigado a participar de um crime, que se tratava de um assalto a uma casa, mas Oliver sem querer fz barulho despertanto o pessoal da casa e leva um tiro. Oliver é deixdo num beco e mais tarde recupera a consciencia e é socorrido pelo dr Losberne que encaminha Oliver a uma casa no campo com Maylie e sua sobrinha Rose. Sally uma senhor que sabia sobre Oliver quando esta perto de morrer entregou uma trouxa a Sra Corney, mas ela vende para Monks, na trouxa havia uma aliança com o nome Inês. Monks joga o anel no rio. Nancy é assassinada por Bill. Sr Brownlow leva Monks a sua casa e desvenda o mistério de um quadro dizendo que seu pai ficou noivo de Inês e veio a ter um filho sendo ele Oliver. Monks desejava acabar com oliver para que ele nao tivesse direito a herança, e o que comprovaria o casamento era a aliança. Descobre-se que Rose é tia de Oliver. Sr Brownlow e Oliver visitam Fagin e este revela o paradeiro dos documentos que poderiam ajudar no diretiro a herança de Oliver. Oliver divide a fortuna com Monks que morre na cadeia. Fagin é enforcado e Sr Brownlow adota Oliver.

    Diana de Oliveira Rodrigues
    RA 45955

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Gisele Revoredo RA: 139001 6° Semestre
    Antes do livro que atualmente estou lendo – A Mão e a Luva de Machado de Assis - peregrinei por muitos livros, comecei a ler algumas obras de José de Alencar e descobri que muitos alunos estavam lendo-o e por isso desisti de lê-los. Depois embarquei no romance Helena de Machado de Assis e não gostei da temática da história por ser muito lento, fui a biblioteca e peguei o livro “Demônios de Álvares de Azevedo”, esse realmente li – conta a história de um escritor que acordou numa noite e como de costume acendeu uma vela para escrever, mas algo muito estranho aconteceu e ele desatou a escrever loucamente várias páginas mas ao finalizar sua escrita, o mesmo não se lembrava do que havia escrito nelas. Nessa tentativa de descobrir o que estava lá, ele descobre que o tempo havia parado e que todas as luzes da cidade estavam apagadas. Ao tentar descobrir o que aconteceu percebe que todos estavam mortos e ao se dar conta do acontecido ele se preocupa imediatamente com sua noiva e assim sai de sua casa para procurá-la. Ao chegar a sua residência ele descobre que todos haviam falecido inclusive sua amada. Num ato de tentativa de reanimá-la ele a beija e como na história da Bela Adormecida a mesma acorda do sono da morte.
    Após ambos constatarem que não havia mais vida no planeta, eles tem a idéia de encontrarem a morte se afogando no mar. No caminho até lá, ocorre transformações em seus corpos e de simples humanos se transformam em animais selvagens e depois de um tempo, ao chegarem ao mar e vê-lo como uma grande gelatina escura, ambos desistem da idéia e começam a viver em sua nova condição, mas depois de um tempo eles de animais, se transformaram em plantas e após isso em minerais e por último em gases atmosféricos. Mas um detalhe na história me chamou a atenção, o amor que ambos tinham não se apagou apesar de todas as transformações que sofreram. Ao chegar ao final da historia, o leitor descobre com o autor, que essa história vivida não é nada mais, nada menos que o conteúdo escrito loucamente em páginas durante o sonambulismo do autor.
    Bem, depois descobri que esse não era livro de romance e por isso que agora estou lendo “A mão e a Luva do Machadão”, estou no capítulo 6 quando Estevão pede para Luis Alves, seu amigo, a causa jurídica da Baronesa (senhora rica que cuida de uma moça que ficou órfã chamada Guiomar), o pretexto está exatamente nessa garota, cujo rapaz é apaixonado desde a juventude, mas por motivo que ainda não sei por que não li todo o livro, ela não o corresponde e em nenhum momento demonstra interesse. Bem, o que será que impede? Será a condição social de Estevão? Será que há um segredo no passado de Guiomar que a impede de gostar dele? Bom isso não poderei responder agora.

    ResponderExcluir
  8. Sandra Regina Barros Cezar RA1099142244

    Apesar de ter começado a ler o livro A ARTE DE CORRER NA CHUVA de Garth Stein, que é maravilhosamente apaixonante, pois o narrador é ninguém mais do que o cachorro da família,quero deixar aqui o meu depoimento sobre o livro A CIDADE DO SOL, de Khaled Hosseini, o mesmo autor de O Caçador de Pipas.
    Esse livro é muito marcante e fala de uma realidade que desconhecemos. Ao mesmo tempo que conhecemos um pouco da história, política e cultura do Afeganistão, conhecemos a estória de duas mulheres que passam por tanta dor, preconceito e humilhaçoes. É um livro sem final feliz, mas com um final verdadeiro que nos faz repensar nossa vida e nossos valores diante dela.

    ResponderExcluir
  9. escolhi o livro Abdias primeiramente pelo autor Cyro dos Anjos conhecido romancista e poeta da década de 30, conhecido pelas denuncias socias em suas obras, foi esse o motivo que me fez escolher seu livro, porém quando comecei a leitura percebi que a obra tinha sim um traço marcante da escrita de Cyro, mas não o motivo que pensava. O livro Abdias é marcado por um lirismointenso e delicaeza nos traços da construçao da história. Não é a toa que o autor recebeu prêmio da Academia Brasileira de Letras por esse romance em 1945, para posteriormente receber uma cadeira na Academia. Sobre o livro, achei muito pertinente pois a história trata da relação aluno - professor onde Abdias é professor numa escola de freiras, acaba tendo sua atençao despertada por uma aluna que a princípio o ignora com o passar do tempo sua atitude vai mudando, porém narrado em 1ª pessoa , o professor nunca sabe oque se passa na cabeça de sua querida aluna... O final é surpreendente principalmente para os profissionais da area, pois mostra uma maneira totalmete diferente de encarar essa tão íntima e delicada relação entre o professor e seu aluno.

    ResponderExcluir
  10. Sobre o livro A sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batata

    Quando entrei na faculdade encontrei uma escritora no papel de professora que me disse: Nada vem do nada! Ou seja tudo o que produzimos é um reflexo daquilo que trazemos em nossa bagagem de leitura dos livros, e do mundo. Hoje três anos e meio depois senti isso com muita profundidade durante a leitura do livro “A sociedade Literária e a Torta de Cascas de Batata.
    Imediatamente após ter escrito o parágrafo acima senti necessidade de escrever mais, pontuar sobre o tema proposto, mas estava tudo tão obvio e talvez algo que viesse a escrever poderia diminuir a importância do que foi dito anteriormente. Então penso que seja adequado tecer alguns comentários sobre o livro.
    Inicialmente não me lembrei do nome Guernsey mas bastaram algumas “cartas” para me lembrar do livro de Victor Hugo, Os Trabalhadores do Mar, livro este que trata dos valores e das pessoas da ilha e é claro da vida dura no mar. Recomendo a todos este livro maravilhoso!
    Voltando ao “Sociedade Literária” devo dizer que em minha opinião, não me parece que seja um livro sobre a guerra mas sobre a dor e uma maneira de encara-la, já que não há prescrição de produto farmacêutico que resolva.
    Devo dizer que não lembro de ter lido ou visto algo sobre ocupação alemã que tenha me deixado tão calma e por que não dizer Feliz. E não foi uma carta em especial (o livro é composto de cartas), já que este formato de romance nunca me agradou antes, mas sim a obra toda que traz a mensagem fraterna de um amor incondicional pela vida e a atitude firme e corajosa de lutar não por si, mas pela humanidade.
    Quando Elisabeth cuida do pobre escravo alemão nos traz à lembrança todas as historias que o mundo inteiro conhece sobre os massacres nos campos de concentração e nos faz pensar: E se nos estivéssemos lá? Eu poderia mudar alguma coisa?
    O livro também tem algo importante e que é a causa de ter escrito o primeiro parágrafo deste texto. As intertextualidades , os autores e livros citados e inclusive incluídos na história como Oscar Fingal O'Flahertie Wills Wilde. Todos estes intertextos nos dizem quem é a leitora por traz da escritora no caso Mary Ann e Annie também é claro. Por isso mesmo poderia indicá-lo a qualquer pessoa, porém, indico àqueles leitores dispostos a ver além do superficial..

    ..e que tenham como pano de fundo um domingo como 26 de setembro de 2010 quando o sol esteve fora o dia todo e a chuva juntamente com a neblina compuseram o quadro perfeito para esta leitura.

    Tânia Gauto

    ResponderExcluir
  11. Uia! que interessante o comentário da Tânia. Gostei do seu final cherry, de fato esse domingo foi um dia lindo, para mim pessoalmente foi um dia delicioso, um domingo romantico em suma. Acredito que não só para nós dois aliás...

    De qualquer forma, o primeiro paragrafo da Tânia resume um bocado do livro que li, "Uma leitora real", emprestado a mim da Profª Marcia atraves da gentilíssima Profª Akeber, de autoria de Alan Bennet. Sinceramente, nunca havia ouvido um nada sobre esse Bennet, mas ele me parece um rapaz adoravel agora.

    Esse "nada vem do nada" é a conclusão do livro de Bennet. Este livro conta historia do infortunio de uma rainha ao se tornar uma leitora apaixonada; pela leitura. Copiando as centenas de opniões, ele é um livro sobre a paixão de ler. Não é profundo, fato, é como uma descrição ilustrada de alguém se apaixonando a a leitura, e de como esse habito delicioso atrapalha nossa vida. Ainda que não seja profundo, não quer dizer que seja ruim. Como dizia Allan Poe, é o tipo de livro pra se ler "numa sentada". É gostoso, distrai, apaixona, apetece.

    Outra coisa interessante é que também se percebe um pouco do leitor que é Allan, como disse a Tânia sobre a Mary Ann, apesar de que o Allan é um bocado mais explicito com relação a isso. Seu livro fala sobre um monte de outros livros, ele indica mais leituras no seu livro enquanto diz que esta fazendo isso na historia da rainha.

    Mas voltando a nossa mal-afortunada rainha. Num dia passeando seus cães ela encontra uma biblioteca itinerante no palacio, e um rapaz de cabelo vermelho. Esse rapaz se torna um guia para a rainha no seu novo habito de ler. Ele é nomeado para trabalhar diretamente com a rainha, e.... seu trabalho é ler. Exatamente. Olha que coisa gostosa ter a maior mordomia do mundo pra poder ler e só ler... ai ai... De qualquer modo, ele lê para poder indicar livros à rainha, e esta lê e pede para ele ir buscar mais livros. Assim vai e vai e vai até que as obrigações da rainha começam a ser perturbadas, afinal, ela era uma rainha, ela era inquestionavel, ela era a razão absoluta, ela era. Agora ela lê e lendo observa melhor o mundo que não via, o trivial vira um saco, a rotina emudece o espírito e a vida perde o brilho. Sua certeza sobre as coisas some, ela não é mais uma mulherzinha ordinaria e egocentrica, cujas proprias obrigações são seu mundo. Agora ela é uma mulher egocentrica, que se preocupa com as pessoas e cujo mundo interior é seu mundo... Estranho não?.... Leia o livro xDD, voce pode entender, não garanto nada ^^ ....

    ResponderExcluir
  12. Rafael A. C. Mendes30 de setembro de 2010 11:10

    Estou lendo a obra "Tosco" de autoria de Gilberto Mattje. Trata-se da história de um adolescente em busca de auto-afirmação e que começa a criar sua personalidade. Segundo o próprio personagem, não sabe como sua mãe sustenta a casa. Seu pai é alcoolatra. Adora ir à escola, porém não para estudar. Seu único objetivo é chamar atenção de colegas e professores com suas atitudes. É desordeiro, não colabora em nada para o bom andamento das aulas. Entra no mundo das drogas e do alcool por influência das "amizades" que ele constrói no espaço escolar. Fica famoso por ser um dos alunos mais "descolados" da escola. Se envolve em muitas brigas e situações adversas. Fiz a leitura até o trecho no qual ele, após "brincar" presentado a professora com uma vassoura em seu aniversário, foi expulso da escola e se vê obrigado a procurar, sem a ajuda da mãe, outra escola para frequentar.

    Rafael Mendes 8º semestre RA: 58505

    ResponderExcluir
  13. Sandra Regina Barros Cezar RA 1099142244

    Acabei de ler "A ARTE DE CORRER NA CHUVA" de Garth Stein. A estoria é contada por um cachorro e é , triste, mas divertida em alguns momentos. É interessante observar o comportamento dos humanos ditos seres "inteligentes e superiores" pelos olhos de um cachorro. Como somos surpreendentemente previsíveis em alguns momentos e nada racionais na maioria deles...
    Mais um que recomendo.
    Comecei a ler Comer, Rezar, Amar.
    Assimque possível, relato algo a respeito.

    ResponderExcluir
  14. Sobre o livro A Cidade do Sol de Houdsseini

    Que livro!

    As minhas expectativas em relação à historia não eram muito boas. Só estava esperando realmente muita Dor já que O Caçador de Pipas envereda pelo limite do insuportável, pensei que este não seria diferente, mas foi em alguns aspectos.
    A visão de um mundo distante, de homens bomba, isolado e talvez até inexistente era o que sentia em relação ao povo afegão, mesmo vendo TV e lendo jornais, mas o fato do autor ter colocado datas em cada capitulo me levou definitivamente até as terras dos grandes Budas. E ainda pelo fato de ser o gênero feminino o tema do livro, piorou um pouco mais a minha situação de “observadora” deste mundo distante e passei a sentir o que é ser uma mulher sob o regime talibã e sob as patas de alguns denominados homens.
    Depois do livro me senti incompleta, como se para ser realmente uma MULHER faltassem grandes realizações em minha vida. Como ter um filho sem anestesia, como ser feminina sob uma burca, como ser livre mesmo prisioneira de um regime qualquer, não sei! Algumas datas no livros são as mesmas nas quais eu estava aqui no meu país estudando, namorando, casando e tendo meu filho. Enquanto lá milhares de mulheres como nós brasileiras sofriam pelo PECADO de terem nascido.
    A vida humana pode ser realmente um inferno!
    Quando somos mães temos algumas frases feitas como padecer no paraíso, e coisas assim, mas para elas é padecer sem paraíso mesmo! È padecer que não termina, não tem fim, não tem fronteiras por que quando elas estão longe de sua terra, e se sentem seguras e protegidas seus corações sofrem e tem que voltar, pois outras precisam delas. Orfanatos precisam de teto, de camas, de alguém que lhe concerte as janelas, pois os órfão são muitos e as mulheres que restam tem que continuar sendo mães. Por que os homens são muitos, mas estão muito ocupados tornando a vida dos demais, um sanatório de profunda dor.
    Leiam este livro mais para que seus olhos estejam abertos, e suas bocas preparadas para nunca dizer asneiras sobre o que não tem conhecimento. OAfeganistão não é só um homem bomba, são milhares de almas num pesadelo que não termina.

    Tânia Gauto

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  16. POis bem, vamos lá outra vez!!!!

    Amor de Salvação de Camilo Castelo Branco é mais uma história de amor. Afonso e Teodora são prometidos em casamento quando ainda eram crianças por suas mães que eram amigas. Mas com a morte da mãe de Teodora, esse amor não pode ser vivido. Teodora foi para o convento e fica sob a responabilidade de um tio. Afonso também segue seu destino indo estudar fora. Teodora não consegue esperar por Afonso no anseio de se livrar do convento, aceita se casar com o primo Eleotério.
    Mesmo com a distância e o tempo, ambos não conseguem se esquecer.
    Muitos anos depois Afonso volta e reencontra
    Teodora. Os dois vivem então aquele amor da adolescencia, porém não durou muito.
    Afonso agora se encontra desiludido, leva uma vida boêmia e gasta tudo o que tem. É ajudado por seu Fernão pai de sua prima Mafalda que sempre o amou e que nesse último momento tem a chance de ser seu "Amor de Salvação" .
    Casaram-se e tiveram muitos filhos.
    Glória Raquel

    ResponderExcluir
  17. Sandra Regina Barros Cezar RA 1099142244

    Olá, pessoal!

    Estou lendo o livro COMER, REZAR, AMAR de Elizabeth Gilbert que virou filme estrelado por Julia Roberts,o qual só pretendo assistir depois de terminar minha leitura.
    Bem, o livro conta um momento da vida da autora em que ela está passando pelo fim do casamento e por crises de depressão. Então ela decide fazer algo que ela acredita que lhe proporcionará imenso prazer, que é aprender italiano. Para isso ela vai passar uns meses morando em Roma e passeando em outras cidades da Itália. Essa é a parte COMER do livro. Ela se entrega às massas e ao "gellatto" de corpo e alma. A forma como ela fala de seus dilemas psicológicos e da família é tão engraçada. Você lê e pensa: "como ela pensou nessas coisas tão loucas para explicar de maneira tão clara os sentimentos das pessoas?". E ela também acaba nos ensinando um pouco da história de Roma, por exemplo. Estou gostando muito da leitura.

    Até mais,

    Sandra Cezar

    ResponderExcluir
  18. Eu estava lendo o livro "A Volta ao Mundo em 80 dias", mas por motivo de força maior(realmente foi mais forte do que eu rsrs)me apaixonei por outro!"A Cabana" de William p. Young. Estávamos traduzindo alguns capitulos desse livro, me interessei, nao resisti e comecei a lê-lo...bom, não vai ai nem desprezo pela obra de Verne, maravilhosa por sinal, que ainda concluirei. Em relação ao livro "A Cabana", estive lendo algumas coisas sobre ele na internet e pude perceber que há muitos elogios sobre a obra, como também muitas críticas. Há polêmica por parte de alguns religiosos sobre o livro agredir algumas doutrinas e de ter algumas eresias. Bem, eu sou evangélica e não tenho a mesma opinião.O livro é uma literatura fictícia, o autor utiliza de sua imaginação e não procura "deturpar a palavra de Deus" ou reescrever a biblia. Acredito que quando se fala em literatura, se fala em ousadia,imaginação,em aventura da mente, em mundos e universos diferentes que permitem uma interiorização maior.E tudo isso sem, Como diz Mario Llosav "sem perder o juízo ou trair o coração". É a ficção. É literatura!Muitas pessoas leem livros sem buscar a moral dele, so veem o superficial. Acho que antes de lermos um livro temos de buscar a sua essência, seu teor.Muitas pessoas (não os chamo de leitores)criticam certas obras por terem ouvido falar sobre ou por ter lido o resumo, sem ter lido a obra por completo, então, tentam avaliá-la sem conhecimento de causa. E isso, destrói o que ha de belo na leitura, na literatura. É por esse motivo que nao colocarei aqui o resumo de "A Cabana", só posso dizer que ele é maravilhoso! Encantador! A única coisa que posso dizer é que quando lia tinha a sensação de tranquilidade, sensação de que "o tempo passa mais devagar", não ouvia, não enxergava nada ao meu redor...A essência do livro é a aproximação do homem com Deus, a relação d'ELE como o homem mortal. O livro apresenta conceitos sobre Deus, sobre a fé, o autor critica que a religião por si só não aproxima o homem de Deus e muito menos o coloca em uma intimidade maior com o Criador.(o que eu mais gostei no livro).Enfim, a obra reacendeu a minha fé, me edificou espiritualmente me fez refletir sobre as coisas da vida, a ter um ponto de vista novo em relação a essa questão: Deus e o homem. Leiam, vale realmente a pena.

    Mayara Prado Leal

    ResponderExcluir
  19. Bom dia!
    Demorei, mas retornei para deixar o meu comentário, rssss.
    Li e reli o livro "Crônica de uma namorada" de Zélia Gattai, para quem não conhece, ela é a viuva do nosso queridissimo Jorge Amado. Ele é um livro apaixonante, que nos faz recordar da adolescência e de momentos de pura ingenuidade como a descoberta do primeiro amor, ai que lindo! não é por acaso que li o livro duas vezes. Pois o tempo passa e ás vezes esses momentos passam despercebidos e não o aproveitamos e depois só nos restam lembranças.
    A história acontece na cidade de São Paulo, nos anos 50. E tem como protagonista uma adolescente chamada Geana que tem 15 anos de idade e é apaixonda por Beto, um rapaz bem mais velho que ela,e esse Beto,até então sempre a enxergava como a menina da casa, e com o andar dessa história, ele começa a enxegá-la com outros olhos. Esse romance gira em torno da descoberta que a de adolescente faz de si mesma,da sua personalidade e daqueles que a rodeiam como o Beto, que como todo mal carater, só quer aproveitar da ingenuidade dela, iludindo-a, e fantasiando a cabeça dela de sonhos.Dente esses dois personagens na história, tem a Ricardina, que é uma da personagens mais divertidas do livro,tem também o Nono, que é o avô italiano da Geana, que é o amigo fiel e conselheiro dela.
    Fiquei super triste quando terminei de ler o livro, pois enquanto eu lia, eu viajei no tunel do tempo, e voltei lá nos meus 15 anos, e me vi como a Geana. Recoredei me do meu primeiro amor, primeiro beijo, a primeira desilusão amorosa. Enfim recomendo a leitura desse livro para aquelas que estão se sentindo velha, ou que sentem saudades da adolescência.

    Greice Mara - RA: 49095

    ResponderExcluir